Arquivo da categoria: História

Três Sondas Espaciais Europeias: Rosetta, Solar Orbiter e Cassini-Huygens

A Agência Espacial Europeia (ESA em inglês) é uma organização intergovernamental dedicada à exploração do espaço, com 22 Estados-membros, entre os quais Portugal.
A ESA foi fundada em 1975 e tem a sua sede em Paris, na França, a ESA tem uma equipe de mais de duas mil pessoas, com um orçamento anual de cerca de 4,28 mil milhões de euros.

O mistério da Atlântida-mito e desmito

1 – A Atlântida seria uma grande ilha, para lá das Colunas de Hércules, que foi castigada pelos deuses devido à sua arrogância e que, consequentemente, se teria afundado. A primeira vez que esta História foi contada foi pelo filósofo grego Platão e, desde então, todo o tipo de tecnologias foi dita como estando na posse dos atlantes, desde as viagens espaciais até à energia nuclear. A fonte original da história da Atlântida encontra-se em dois diálogos do filósofo: Tímeo e Crítias, escritos em meados do século IV a.C. em que Platão conta a história que lhe terá chegado através dos descendentes do um estadista, legislador e poeta ateniense Sólon (638 a.C. – 558 a.C.)
2 – A história de Sólon é que, quando viajava pelo Egipto um sacerdote egípcio lhe teria mostrado um conto que descrevia acontecimentos de, por volta 9600 a.C. Segundo a fonte de Sólon, descrita por Platão a Atlântida “emergiu no Oceano Atlântico, porque naquele tempo o Atlântico era navegável; e ali estava uma ilha situada em frente aos estreitos que agora se chama os Pilares de Hércules; a ilha era maior do que a Líbia (o Norte de África) e a Ásia (Turquia e Médio Oriente) juntas” 3 – A Atlântida de Platão era uma grande ilha com montanhas e uma capital de mesmo nome numa planície rodeada de canais concêntricos e muralhas. No centro tinha um monumento a Posídon. Platão descreve que os exércitos atlantes tinham conquistado parte de África e da Europa até serem travados por Atenas criando assim uma arrogância que Posídon castigaria destruindo o império com inundações e uma série de abalos sísmicos num único dia.
4 – Apesar de a narrativa de Platão colocar a história no começo do Neolítico a descrição que o filósofo faz de Atlântida e de Atenas corresponde mais a cidades da Idade do Bronze com armas e armaduras de bronze e navios capazes de navegarem no oceano. Até hoje não se encontraram provas de cidades deste tipo no começo do Neolítico.

Aras Romanas – Património Público em propriedade privada

Na Baixa de Lisboa, na Travessa do Almada encontramos o Prédio Almada com as suas quatro inscrições romanas:
Uma dedicatória de Lisboa a um pretor romano:
“Felicitas Julia, Olisipo, dedica a Lúcio Cecílio, filho de Lúcio Celero, recto questor da província da Bética, tribuno do povo e pretor”.
Uma dedicatória de Caio Julio a Mercúrio e a César Augusto. Assente numa coluna, é uma dedicação de Tito Licínio Cerno, de Lychaonia (hoje na Turquia) à “mãe dos deuses, a grande Ida da Frígia sendo nobre dunviros Cássio e Cassiano, e cônsules nobilíssimos Marco Atílio e Afroniano, e sendo governador Gaio”.
Mais uma dedicatória à mãe dos deuses, desta feita de “Tito Licínio Amarantio por voto dedicou à mãe dos deuses”

Eu sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele o oceano seria menor.
Madre Teresa de Calcutá

Obrigado
PT50 0035 0001 00018986100 17



O castelo de são jorge (lisboa)

“Aberto ao público sete dias por semana, o Castelo de S. Jorge é hoje um local onde se pode desfrutar o património e conhecer a sua história.
Deixe-se encantar pelas muitas atividades culturais e lúdicas que este notável monumento de Lisboa tem reservados para si.” https://castelodesaojorge.pt/

Eu sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele o oceano seria menor.
Madre Teresa de Calcutá

Obrigado
PT50 0035 0001 00018986100 17


Gases com efeito de estufa-fatores e principais emissores

É um facto incontestável que a atividade humana tem vindo a provocar alterações climáticas pela emissão excessiva de Gases com Efeito de Estufa.
A forma de estudar as quantidades emitidas foi desenvolvida por Kaya, que considera 4 fatores para encontrar os números:
População, PIB per capita, Energia consumida e Carbono libertado

A convenção de Paris estabeleceu a redução em cerca de 40% de GEE, será que vamos conseguir?
anda daí conhecer os principais emissores de GEE e saber um pouco mais sobre o tema

Eu sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele o oceano seria menor.
Madre Teresa de Calcutá

Obrigado
PT50 0035 0001 00018986100 17

O Protocolo de Kyoto

O que foi o Protocolo de Kyoto; Para que serviu ou Que países se envolveram? são algumas das questões abordadas neste vídeo.
Também é preciso perceber as razões que levaram à realização deste encontro a nível planetário sobre alterações climáticas.
Sabemos que a poluição atmosférica é uma das causas para o aquecimento global, mas infelizmente não é única.
Anda saber mais
🙂
Leitura e visita recomendável:
The Economist – You Tube “How scientists calculate climate change”

Eu sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele o oceano seria menor.
Madre Teresa de Calcutá

Obrigado
PT50 0035 0001 00018986100 17

Voar e Voar

Desde tempos pré-históricos que a Humanidade deseja poder voar comos os pássaros.

O caminho para o céu foi longo, repleto de experiências felizes enquanto outras seriam fatais. As tentativas foram inumeras, por todo o mundo.

Hoje voamos sem motor e com motor
Fascinante

Temos um desafio pela frente tão grande como foi voar mais alto.

Satisfazer as necessidades do presente com inteligência é não comprometer a satisfação das necessidades das gerações vindouras

Voamos mais e mais alto, chegámos à Lua

Eu sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele o oceano seria menor.
Madre Teresa de Calcutá

Obrigado
PT50 0035 0001 00018986100 17


Simbologia da estátua equestre de D.José I

Simbologia da estátua equestre de D.José I
1 A estátua equestre de D. José I (1714-1777) e está situada no centro do Terreiro do Paço tendo sido inaugurada no seu aniversário de 1775 (5 de Junho)
A estátua é obra de Machado dos Santos e foi fundida por Bartolomeu da Costa. Ocupa o centro de um triângulo que une o arco da Rua Augusta às portas das torres laterais da Praça do Comércio.
2 Todo o conjunto sobrepõe-se ao plano do Convento de Mafra (capital espiritual de Portugal sendo Lisboa a capital material) e a estátua de Dom José I ocupa o mesmo lugar do altar. Na base da estátua um menino coroado recebe de Roma aniquilada as armas de Lisboa simbolizando Lisboa como a capital do novo Império (o Quinto). Aos pés do menino um dignatário oferece uma arca aberta que contém um tesouro enquanto que o arquiteto descreve à Virgem o novo plano da cidade de Lisboa.
3 Dom José I está vestido à romana e enverga uma capa da Ordem de Cristo empunhando o ceptro imperial sob um cavalo que pisa as serpentes (o Mal). Debaixo, aos lados, temos o Triunfo (o cavalo) e a Fama (o elefante) que simbolizam também o Ocidente e o Oriente assim como os anjos que dominam o homem idoso representam as tradições espirituais do Ocidente e do Oriente que se unem em Lisboa. 4 Fonte principal Lisboa Insólita e Secreta de Vitor Manuel Adrião

1 Todos os anos, em Setembro, e em breve em mais datas, a Câmara Municipal de Lisboa abre ao público as galerias subterrâneas da Rua da Prata durante 3 dias.
Isto ocorre porque as galerias estão inundadas e é necessário expulsar a água à força de bombas. O acesso é feito via uma entrada na Rua da Conceição (nº 77)
2 Este rede de galerias era um pórtico de uma construção situada ao pé do cais de Lisboa. São uma construção destinada a suportar o peso dos edificio sobre as mesmas, talvez instalações de apoio ao cais. A rede foi considerada um estabelecimento termal desde a sua descoberta em 1771 durante a reconstrução do bairro após o terremoto de 1755.
3 A rede das galerias romanas tem forma octogonal de altura decrescente e foi aqui encontrada uma lápide a Esculápio (razão pela qual se julgou tratarem-se de termas)
Há vestígios de uma construção da época púnica (da Lisboa cartaginesa) mas a construção parece recuar ao século I d.C. e à época de Júlio César ou Cláudio.
4 Fonte principal A Lisboa em Pessoa – João Correia Filho